Creative solutions.

Creative ideas.

Creative design.

Sobre

A inspiração vem da natureza, a beleza vem do natural. Como uma semente, a Hermética brotou de um desejo e floresceu pela paixão. É uma joalheria autoral e artesanal que trabalha com peças personalizadas, feitas a mão, utilizando Prata 925. A criação atravessa diferentes métodos utilizados, como “martelado”, “gravações com buril”, “filigrana”, além das técnicas tradicionais e experimentais da ourivesaria.     Da excelência nascem joias únicas, com significados que ultrapassam seu valor. Construímos juntos um tesouro de afeto e personalidade, para marcar momentos, relembrar histórias e irradiar a sua essência.

            O nome Hermética vem do sobrenome Hermeto e encontrou fundamento na filosofia das Leis Herméticas, que Hermes Trismegisto escreveu na Tábua de Esmeralda. A Lei do Mentalismo, da Correspondência, da Vibração, da Polaridade, do Ritmo, do Gênero e da Causa e Efeito. São ensinamentos universais que inspiram o autoconhecimento e caminham para a completude, “todos somos um.”

            Eu sou Designer Gráfico, nascida em Belo Horizonte e movida pelas mãos, guiada pela arte. Acredito que a Prata ilumina o brilho interno e resplandece a pureza genuína. A joia mais valiosa habita o seu ser. A preciosidade é você.

Luiza Hermeto Mascarenhas

Coleções

A Bordo – em um paradoxo cósmico

sigmaessays

Por: Luiza Hermeto

Fotos por: Maria Vaz



O balanço, o movimento, os contrastes
O vento, o tempo.
Solidão na multidão.
Armazenado, ancorado ou solto e livre.
Pra lá e pra cá.edit essay
Lá que está alí, chegando.
E partindo.
Indo e vindo.
Sem se mover, me transporto.
De porto em porto me coloco.
Em uma base de chão.
É real? Surreal?
Solidez.
Solidez zonza que fica pra trás.
Com o som e a fumaça,
dando lugar a certeza da viagem.
Movimento constante, que confunde a firmeza de tudo
Náusea que passa.
Balanço que nina.
E vai e vai..
Entra e sai de gente
Festa, alegria e mordomia
Céu e mar, fora e dentro
Interior claro, mas escuro.
Calado apertado e macabro.
Estruturas. Canos. Pregos.

Silêncio. Nunca.
Trabalho, correria, convivência.albanian mail order brides
Longos meses, dias, anos…
Gente que passa,
todo dia, todo tempo,
e não deixa nada,
e gente que fica
vive a vida, juntos.
Alimentam-se todos.
A la carte, a la caixa.
Empilhadas, guardadas, trancafiadas e bem cuidadas.
Na mesa,
água na diagonal.
Lá fora,
infinitude horizontal.
De cima pra baixo da medo.
De baixo pra cima chão
sustentação perfeita que se move
milimetricamente estruturado
ilusão de acaso, insensatez.
No sobe e desce das ondas,
sensações.
Movimento, dança, música.
Céu, lua, estrela e mar.
Vento, som, sol e brilho.
Seja dentro ou fora

vida vivida sofrida,
ou de férias
a energia não pára.
vinda do fundo, dos lados
sem barreiras.
Infinita
Penetra em nós,
nos movimenta.
Alimenta. Anestesia. Fantasia.
Deixa pra sempre a sensação,
inesquecível de cruzar,
flutuar, atravessar, desbravar os mares.
E também barreiras.
Visíveis e invisíveis,
fronteiras físicas e pessoais
próprias ou inter-relativas.
O pensamento voa,
vai longe,
dissipa no vento, no som, na fumaça,
na água, na maresia, na garoa,
no equilíbrio, no desequilíbrio,
uns vivendo e outros sobrevivendo
juntos no mesmo barco é tudo lindo…
infinito, fluido, balança, vibra e brilha.
A terra firme limita.

 

A Bordo – 1
A Bordo – 1
A Bordo – 3
A Bordo – 3
A Bordo – 4
A Bordo – 4
A Bordo – 5
A Bordo – 5
A Bordo – 6
A Bordo – 6
A Bordo – 7
A Bordo – 7
A Bordo – 8
A Bordo – 8
A Bordo – 9
A Bordo – 9
A Bordo – 10
A Bordo – 10
A Bordo – 11
A Bordo – 11
A Bordo – 12
A Bordo – 12
A Bordo – 13
A Bordo – 13
A Bordo – 14
A Bordo – 14
A Bordo – 15
A Bordo – 15
A Bordo – 16
A Bordo – 16
A Bordo – 17
A Bordo – 17
A Bordo – 18
A Bordo – 18
A Bordo – 19
A Bordo – 19
A Bordo – 20
A Bordo – 20
A Bordo – 21
A Bordo – 21
A Bordo – 22
A Bordo – 22
A Bordo – 23
A Bordo – 23
A Bordo – 24
A Bordo – 24
A Bordo – 25
A Bordo – 25
A Bordo – 26
A Bordo – 26
A Bordo – 27
A Bordo – 27
A Bordo – 28
A Bordo – 28
A Bordo – 29
A Bordo – 29
A Bordo – 30
A Bordo – 30
A Bordo – 31
A Bordo – 31
A Bordo – 32
A Bordo – 32
A Bordo – 33
A Bordo – 33
A Bordo – 34
A Bordo – 34
A Bordo – 35
A Bordo – 35

 

Baú

Por: Luiza Hermeto

Fotos por: Maria Vaz



Em um baú
secreto,
discreto,
ou não
aberto,
esperto…
de tudo se pode achar,
pequenos objetos encantados
buscados, encontrados
ou perdidos, antigos, quase vendidos…
momentos, sentimentos
som de poeira,
do sussurro no pé do ouvido
do velho com o novo
diversas opções e noções
visões, interações…
Esse baú é diferente
é na mente da gente
que vibra, emite, transmite
transporta,
passa por uma e outra porta
cada qual a sua maneira
leva a diferentes espaços
complexos caminhos, passeios, passos

desafios, texturas, contexto
passados, vividos, e transmitidos
como agora aqui
um baú se abriu
algumas palavras expeliu
depois ele foi
nunca mais voltou
bateu e trancou.
pelo mar a flutuar
para todo o sempre ficou
a ecoar,
a boiar,
seguindo o fluxo das ondas
sentindo as bolhas dos peixes
o ar do mar
o som do fundo do mundo
seu interior mudo, oco.
pra quem quiser adivinhar
o que tem no interior do baú
é só pensar no que quiser
e colocar, imaginar…
em sintonia, sinfonia
no eterno movimento

no verso e no avesso
no seco e no molhado
do quieto com tumultuado
do vazio com cheio
no sobe e desce
do seu mundo, nosso,
das correspondências, sem cartas
e acasos, e por acasos nunca
da sua mente
de onde vem tudo que sente
atração, repulsão, oposição,
opostos,
que são a mesma coisa
percepções, partículas, partes
elocubrações, viagens, cruzadas,
campos, ondas, energia…
magia….
cuidado com o que guarda nele
cuida do seu baú
que hoje é humano
que vibra e permite
o infinito
no finito.

 

Baú – 1
Baú – 1
Baú – 2
Baú – 2
Baú – 3
Baú – 3
Baú – 4
Baú – 4
Baú – 5
Baú – 5
Baú – 6
Baú – 6
Baú – 7
Baú – 7
Baú – 8
Baú – 8
Baú – 9
Baú – 9
Baú – 9.1
Baú – 9.1
Baú – 9.2
Baú – 9.2
Bau – 9.3
Bau – 9.3
Baú – 9.4
Baú – 9.4
Baú – 9.5
Baú – 9.5
Baú – 9.6
Baú – 9.6
Bau – 9.7
Bau – 9.7
Baú – 9.8
Baú – 9.8
Baú – 9.9
Baú – 9.9
Baú – 9.9.1
Baú – 9.9.1
Bau – 9.9.2
Bau – 9.9.2
Baú – 9.9.3
Baú – 9.9.3
Baú – 9.9.4
Baú – 9.9.4
Baú – 9.9.5
Baú – 9.9.5
Bau – 9.9.6
Bau – 9.9.6
Baú – 9.9.7
Baú – 9.9.7
Baú – 9.9.8
Baú – 9.9.8
Baú – 9.9.9
Baú – 9.9.9
Baú –  9.9.9.1
Baú – 9.9.9.1
Baú – 9.9.9.2
Baú – 9.9.9.2
Bau – 9.9.9.3
Bau – 9.9.9.3
Bau – 9.9.9.4
Bau – 9.9.9.4
Baú – 9.9.9.5
Baú – 9.9.9.5
Baú – 9.9.9.6
Baú – 9.9.9.6
Bau – 9.9.9.7
Bau – 9.9.9.7
Baú – 9.9.9.8
Baú – 9.9.9.8
Baú – 9.9.9.9
Baú – 9.9.9.9
Baú –  9.9.9.9.1
Baú – 9.9.9.9.1

 

Fluxus

Por: Luiza Hermeto

Fotos por: Maria Vaz



Da joia emana
Espírito puro de prata
Energia fluida que é
entorna e flui
Peça e vai..

Pinga

A gota, respiga
O pingo escorre em gotas..
De dentro d’água
Sólida
o líquido vejo
Bolhas ao seu redor
dos dedos me gotejo
me lavo, protejo
Ilumina

Pinga



Calor do corpo que usa
Que veste o molhado
Não a roupa
Ensopado

Pinga

Veste a cor que reflete
Que brilha e mistura
Luz entre moléculas distintas
Mas tão parecidas…
Ainda que herde
O amor procede
A teia da vida se tece
Prevalece